Como utilizar adornos decorativos.





Profissionais de arquitetura explicam, como não errar na utilização de adornos.






Nem mais, nem menos. A quantidade exata de adornos decorativos é que vai tornar o ambiente agradável, leve e bonito.


Um estudo da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, revelou que pessoas que vivem rodeadas por muitos objetos de decoração possuem altos níveis de cortisol, hormônio ligado ao estresse. De acordo com a pesquisa, o exagero nos adornos transmite a mensagem de casa bagunçada que, por sua vez, remete ao fracasso e deixam as pessoas deprimidas.

Mas isso também não quer dizer que agora todo mundo deva seguir o estilo minimalista. O que precisa existir é um estudo do ambiente e seu layout para haver harmonia entre a quantidade e tamanho dos adornos com o décor do local. Profissionais de arquitetura e decoração trazem dicas para realizar essa tarefa com êxito.

"O ideal é ter lacunas que valorizam os pontos preenchidos, por meio do contraste entre cheio e vazio. Diante disso, sugiro que a pessoa escolha alguns pontos mais importantes da casa para adornar e deixe outros mais limpos. Isso vai fazer com que os adornos escolhidos ganhem protagonismo", ensina a arquiteta Simone Rocha.

Para os mais apegados, as arquitetas Luciana Araújo e Nathália Otoni, da Óbvio Arquitetura, ajudam na hora de escolher quais adornos podem ficar: 



"Livros, por sua versatilidade, já que podem ser utilizados em mesas laterais, mesas de centro, estantes, etc. Os vasos também nunca saem de moda. Por fim, as obras de arte, como quadros, fotografias e escultura, compõem o ambiente".




Simone traz mais dicas para completar a lista de adornos que não podem faltar. "Toda casa deve ter um arranjo de flores ou folhas. As plantas trazem um toque pessoal e humano ao espaço. Para quem não quer ter trabalho, vale as artificiais. Outra opção interessante são adornos neutros para quem não gosta de renovar a coleção constantemente. Cores terrosas e materiais naturais fazem com que esse tipo de peça não se torne cansativa, e combine com qualquer decoração ambiente", acrescenta.

Para transmitir alegria, felicidade e até aquele clima de nostalgia ou calmaria, vale incluir na morada adornos que contem a história de seus usuários. "Aquela obra de arte que toca os moradores, objetos de família, de viagens e que remetem a alguma vitória ou algum momento importante trazem consigo uma boa lembrança. Além disso, denotam gostos e personalidade dos donos da casa", ressaltam Luciana e Nathália.

Para quem ainda não conseguiu diminuir a lista de adornos e está com dúvidas em relação à quantidade que deve conter em um ambiente, Simone encerra com regrinhas que podem ajudar: 

"O tamanho do ambiente e o tipo de mobiliário. Esses dois detalhes vão determinar a quantidade de peças decorativas. Quanto menor o ambiente, menos adornos ele deve ter. Caso a pessoa tenha muitos móveis abertos, como prateleiras e nichos, não colocar adornos em todos eles, pois isso dá a sensação desagradável de bagunça. É interessante também intercalar móveis fechados com os abertos. Móveis fechados pedem menos adornos para completar a composição do que os abertos", finaliza. 

Serviços:




Fonte: Morar Melhor

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu Nome e Email ao final da Mensagem, caso deseje alguma informação específica.

Atenciosamente.

Morar Melhor.
www.morarmelhor.com

Divulgue seus projetos no Morar Melhor, é Simples, Clique Aqui e envie um Email com seus contatos.